quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

9

De te perder, Amor, o medo
Se a noite me acrescenta, Amor,
Uma ruga no lado esquerdo da boca
E se me navega, tensa, ao dorso
A dança dos pombos na linha do horizonte
Um banjo, Amor, disperata viola d’amore
De te perder, Amor, pelos caminhos
Ou ao ecoar das horas no ventre da medusa,
Amor, o te perder me assusta.
E tange um tango em pânico
De Guantánamo a Siracusa
Um tempo argênteo e receoso
Do que na noite dos punhais loucos
São, noite e dia, Amor, síncope, adeus, orgasmo


Do livro inédito "35" Poemas de Amor

2 comentários:

Dionisios disse...

Sim.
as angústias somadas...
as alcovas abertas.
tudo.
sempre além do limite da sobrevivência.

Vanessa de Mello Brito disse...

tanta solidão...